Principais Dúvidas sobre a Unificação da ABRADi

Por Administrador, 15 de dezembro de 2017

Na reta final do processo de unificação das regionais em torno de um só entidade nacional, foi elaborado e encaminhado aos associados regionais um documento esclarecedor sobre o processo. Confira aqui.

Apesar de ser uma única categoria de classe, a dos agentes digitais, temos diversas entidades representativas com a marca da ABRADi. Cada uma atua em seu estado e existe uma ABRADi que tem abrangência nacional. Existem associados que são vinculados à ABRADi no seu estado e desconhecem os movimentos e benefícios da entidade nacional, e vice-versa. A proposta de unificação vem para simplificar o modelo e torná-lo mais forte e coeso unificando a figura jurídica da ABRADi, uma única ABRADi com capítulos regionais, sem perder a autonomia regional.

Para eliminar dúvidas segue abaixo “10 Perguntas e Respostas sobre a Unificação”:

      1. Quem definiu este modelo de unificação?

O modelo de unificação foi concebido por um comitê de regionais criado especificamente para essa finalidade. Todas as regionais participaram ativamente. Foram mais de 4 anos de ampla discussão, durante os quais foram avaliados modelos de sucesso seguidos por outras entidades brasileiras do setor de comunicação, como ABAP, APP e ABRACOM. O modelo de unificação responde à necessidade de ter uma associação mais forte e com maior influencia na promoção de nossos interesses como setor.

      2. Por que a unificação é importante para todos?

Por dois principais motivos: primeiro, para que todas as entidades atuem de forma mais coordenada e harmônica, fortalecendo nossa representação perante a sociedade, o setor de comunicação digital e o Governo; segundo, para termos com uma estrutura administrativa-financeira mais sólida e profissional.

      3. Por que os CNPJs das regionais precisam ser integrados?

O objetivo é reduzir as tarefas administrativas das regionais e otimizar custos. A unificação sob um único CNPJ permitirá que serviços administrativos como contabilidade, emissão de boletos e cobranças, atendimento aos associados, tarifas bancárias, cartório, recursos humanos, fluxo de reembolso de despesas, entre outros, sejam unificados em uma operação. Isso proporcionará um significativo ganho de escala, e consequentemente, a liberação de mais recursos financeiros e tempo das lideranças regionais, para que elas possam se dedicar ainda mais às atividades de apoio ao desenvolvimento do mercado local.

      4. Se a nacional vai suportar a parte jurídica, contábil e burocrática, qual o papel da regional?

Eliminado o peso burocrático, a regional poderá dedicar seus esforços ao objetivo principal da associação: promover eventos, cursos, palestras, estreitar laços com parceiros estratégicos, entidades setoriais e universidades e construir pontes com os poderes públicos estaduais e municipais.

      5. A regional precisa consultar a nacional para realizar um evento? Como será a divisão de receitas?

Sim. Devido a responsabilidade jurídica, contábil e legal da marca ABRADi a ser usada pelo evento regional. No entanto, se o evento da regional tem um histórico de zelo na curadoria e sucesso financeiro, e está alinhado com o planejamento estratégico da gestão, não existe razão para sofrer qualquer interferência da nacional. Quanto maior o sucesso melhor para a regional e para a nacional.

      6. Como ficam as contribuições mensais dos associados ABRADi?

Uma entidade unificada ajudará a reduzir as discrepâncias existentes nas diferentes regiões do país. O objetivo é ter uma única tabela nacional, onde as contribuições serão escalonadas de acordo com o faturamento de cada empresa. As faixas de valores serão definidas pelo Conselho de Administração da ABRADi, órgão onde todas as regionais terão cadeira e voz ativa por meio de seu presidente.

      7. O valor dessa contribuição vai para onde?

Com a unificação, passaremos a ser uma associação com muito mais integrantes, o que fortalecerá nossa capacidade de execução nacional e regional. A soma das contribuições de todos os associados do país servirá para assumir os gastos das atividades (nacionais e regionais), além de resguardar o fundo de reserva da associação. Todas as contribuições oriundas de associados vão para um conta única da ABRADi, sendo que 65% desse valor será destinado à gestão da entidade e 30% às atividades regionais, como eventos, cursos, seminários, atividades de representação entre outras e 5% destinados a um fundo de reserva da ABRADi para ações pontuais. Estes percentuais ainda estão sendo discutidos pelas regionais e poderão ser alterados antes da votação do regimento interno, sempre visando manter o seu equilíbrio financeiro. É importante destacar que todas as contribuições dos associados atuais da nacional também serão rateadas para as regionais de acordo com essa nova regra. Atualmente 100% dessa receita fica com a nacional.

     8. Como será gerido esse dinheiro e quais serão os controles de gestão?

A administração do back office será feito por uma empresa terceirizada, que assegurará a criação de contas contábeis independentes para cada regional, permitindo que a utilização dos recursos somente seja feita com autorização de sua diretoria. Assim, as regionais terão mecanismos para garantir controle sobre os recursos da associação. Serão criados relatórios de acompanhamento e controle e, havendo os recursos necessários, realizaremos auditoria com empresas independentes.

     9. Quais serão meus benefícios como associado ABRADi?

Unidos seremos uma entidade mais forte, com maior representatividade política e com mais recursos para a promoção do setor digital em cada uma de nossas regiões. Além disso, eliminaremos a seguinte dúvida: “A quem devo me associar, à entidade nacional ou à regional?”.

     10.A regional continuará a ter voz ativa?

Sim. O presidente regional eleito pelos associados regionais atuará junto à diretoria executiva nacional, como membro do Conselho de Administração da ABRADi nacional, apresentando os projetos e ações a serem desenvolvidos pela regional e alinhados com os objetivos da entidade nacional. Além disso, as diretorias regionais e suas funções específicas serão mantidas. A ABRADI é a soma de nossos esforços e iniciativas e só será forte com participação ativa das regionais.

Documento elaborado, por:

Marcelo Sousa – Presidente da ABRADi e diretor da Marketdata

Carlos Paulo Jr. – Presidente da ABRADi-RJ, líder do Comitê do Novo Estatuto e diretor da Umbrella

Daltro Martins – Presidente da ABRADi-SP, líder do Comitê de Regionais e diretor da RMA

Alexandre Gibotti – Diretor Executivo da ABRADi

Ricardo Abel – Diretor da ABRADi e diretor da Digital Business

Daniel Rimoli – Diretor da ABRADi e diretor da TV1.com

Juan Carlos Gozzer – Diretor da ABRADi e diretor da Llorente & Cuenca

Rodrigo Nista – Diretor da ABRADi e diretor da Trendi