Nova edição do Censo da ABRADi revela dados de exportação das agências digitais brasileiras

Por Administrador, 28 de outubro de 2014
  • De acordo com o estudo, que está em sua quinta edição e pela primeira vez afere grau de internacionalização do setor, cerca de 30% das empresas do segmento já exportaram serviços
  • Pesquisa também registra que o faturamento das agências digitais foi de R$ 2,7 bilhões em 2013, uma expansão de 25% em relação ao ano anterior
  • A projeção para 2014 é faturar cerca de R$3,3 bilhões, mantendo os 22% de expansão

 

São Paulo, outubro de 2014 –  A 5a edição do Censo Digital, estudo realizado pela Associação Brasileira dos Agentes Digitais ( ABRADi), registra um forte ritmo de expansão dos negócios do segmento, o que demonstra o vigor desse mercado mesmo diante da desaceleração da economia brasileira nos últimos anos. Segundo a pesquisa, o faturamento  do setor foi de R$ 2,7 bilhões em 2013, um crescimento de 25% em relação a 2012, quando faturou R$ 2,2 bilhões. Os dados não levam em consideração os investimentos em mídia – referem-se apenas aos serviços digitais.

O estudo foi realizado com dados de mais de 750 empresas respondentes – filiadas ou não à ABRADI. A coleta dos dados foi feita entre agosto de 2013 e julho de 2014 por meio de pesquisa online.

“Ao fazer uma radiografia do mercado, o  Censo Digital nos permite enxergar em detalhes como se dá o desenvolvimento da economia digital no Brasil”, afirma Anderson de Andrade, presidente da ABRADi. “Os dados registrados nesta edição indicam a maturidade e o potencial do setor”.

A grande novidade da atual edição do estudo diz respeito ao grau de internacionalização das empresas. Segundo o Censo, cerca de 30% dos agentes digitais já exportaram serviços. No que se refere ao destino dos negócios internacionais, o estudo indica que os Estados Unidos são o país para onde mais se exporta (27,4%), seguido por Inglaterra (10,2%), Argentina e Espanha (ambas com 6,5%) e Portugal ( 4,9%).

Em relação às principais dificuldades para exportar, a pesquisa aponta o desconhecimento do ambiente de negócios internacionais como o maior empecilho ao ingresso no comércio exterior (33,3%). “Os dados coletados pelo Censo Digital indicam que, embora boa parte das agências digitais exporte, ainda há questões importantes que devem ser resolvidas para a internacionalização do mercado digital brasileiro avançar ainda mais”, afirma Tiago Ritter, diretor de relações internacionais da ABRADi.

“A capacitação dos empresários brasileiros para lidar com o comércio exterior é fundamental nesse processo. Esse é justamente um dos pontos nos quais a entidade pode e deve colaborar efetivamente. O mapeamento do grau de internacionalização do setor é apenas o primeiro nesse sentido”, diz Ritter, também sócio da W3haus.

O Censo também indica que o número de agências digitais no País subiu de 3.094, em 2012, para 3.388, no ano passado. A quantidade de funcionários passou de 25.947 para 31.250 no mesmo período. De acordo com a pesquisa, o desenvolvimento de sites continua a ser o serviço responsável pelo maior porcentual de faturamento do setor, embora sua participação no bolo do mercado tenha diminuído. Em 2012, a categoria respondeu por 29%, enquanto em 2013 o índice foi de 20%. Em segundo lugar aparece Programação, com 11,4% e, em seguida, Criação (10,4%) e Monitoramento de Redes Sociais (10%).

A 5a edição do Censo Digital teve a consultoria da Manzione Associados.

Sobre a ABRADi

A Associação Brasileira dos Agentes Digitais (ABRADi) foi fundada em março de 2009 reunindo todas as associações regionais que agregam as agências de comunicação digital do Brasil. Com representação em 14 regionais (São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Paraíba, Minas Gerais, Bahia, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Distrito Federal, Pernambuco, Paraná, Goiás e Rio Grande do Norte e Interior de São Paulo), a entidade possui cerca de 700 associados e tem como objetivo aculturar o mercado, discutir novas práticas, fomentar o segmento e qualificar profissionais. Recentemente a associação assumiu um novo posicionamento e mudou a sua nomenclatura para Associação Brasileira dos Agentes Digitais, ampliando a sua representatividade no mercado digital ao incluir empresas de outros segmentos em seu quadro associativo. A atual gestão (2014-2016) é composta pelo presidente Anderson de Andrade, pelo vice-presidente Bruno Prado e pelo tesoureiro Paulo Henrique Ferreira. A direção-executiva é de Alexandre Gibotti desde a fundação da ABRADi.

 

Mais informações para Imprensa

Oca Comunicação: (11) 3034-4662

Luis Claudio Allan (luisclaudio@ocacomunicacao.com.br)

Vinicius Cordoni: vinicius@ocacomunicacao.com.br